.

.

02/04/13

Da liberdade de ser e não ser...






"A grande questão é essa falta de autorização para ser inteiro, sem meias verdades. É essa estranha posição que ocupamos de quem precisa ser feliz a qualquer custo, nem que seja de mentira, ou para publicar no seu perfil. Nem que seja só para se encaixar ao mundo que lhe é imposto...e sem se dar conta de que esse "ser feliz", assim tão contundente, tão perfeito, tão pra ontem, não existe, não se cabe, não se nutre.

Meu exercício para hoje, é para simplesmente ser e sentir. Ser o frio, o calor, o nublado, o desfolhado, o sol, o vento e a chuva. Claro, escuro e crepúsculo. Dor e alegria, saúde e doença. Quero me autorizar à inteireza. Ora resplandecente, ora murcha. Ora gargalhada, ora lágrima. Ora silêncio, ora voz. Ora um "plim" - que ótima ideia! Ora "aaaah" - que "m" que eu fiz! Ser tudo, se permitir sentir tudo, mas longe de ser perfeita... desde agora!

 
E assim, atenta ao que mais posso ser, sem julgar, nem desmerecer, quero aprender que o perfeito é um modelo. Não existe. Não é ninguém. Sem rosto e sem alma. Sem coração e sem nome. Sem sobrenome. Sem a mágica e imperdível chance de viver. E de morrer. Para que a história da humanidade possa continuar a ser escrita. Cada dia mais belamente, uma página de cada vez!"

Bejusti

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentários: