.

.

20/08/12

O importante é sobreviver...

Eu sempre estive entre aspas.
Eu me reescrevo e me reinvento cada dia que vivo.
Ficar triste é um sentimento tão legítimo pra mim quanto a alegria.
Aprendo a cada dia que reclamar é fácil, difícil é levantar da cadeira pra fazer alguma coisa que nunca foi feita!
Queria não me sentir tão responsável pelo que acontece ao meu redor, mas nasci com esse defeito de fábrica.
Uma vez li que felicidade é a combinação de sorte com escolhas bem feitas, e estou certa disso. Pessoas com vidas interessantes interessam-se por gente que é o oposto delas?
Elas têm mais o que fazer! Emoção nenhuma é banal se for autêntica, mas a linha é tênue entre banalidade e autenticidade. Dar certo não está relacionado ao ponto de chegada, mas ao durante, fui descobrindo pelo caminho. O prazer está na invenção da própria alegria, porque é do erro que surgem novas soluções. Os desacertos nos movimentam, nos humanizam, nos aproximam dos outros. Enquanto o sujeito nota 10 nem consegue olhar pro lado, sob pena de ver seu mundo cair. Alguém, certa vez, disse assim: "O mundo já caiu, só nos resta dançar sobre os destroços...
Nesse mundo, nosso maior inimigo é a falta de humor", acho que tinha razão.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentários: